Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘poesia’

Não posso adiar o amor

Não posso adiar o amor para outro século
não posso
ainda que o grito sufoque na garganta
ainda que o ódio estale e crepite e arda
sob as montanhas cinzentas
e montanhas cinzentas

Não posso adiar este braço
que é uma arma de dois gumes amor e ódio

Não posso adiar
ainda que a noite pese séculos sobre as costas
e a aurora indecisa demore
não posso adiar para outro século a minha vida
nem o meu amor
nem o meu grito de libertação

Não posso adiar o coração.

(António Ramos Rosa)

António Victor Ramos Rosa (Faro, 17 de Outubro de 1924), é um poeta português, ainda reconhecido como desenhador.

Ramos Rosa estudou em Faro, não tendo acabado o ensino secundário por questões de saúde. Em 1958 publica no jornal «A Voz de Loulé» o poema “Os dias, sem matéria”. No mesmo ano sai o seu primeiro livro «O Grito Claro», n.º 1 da colecção de poesia «A Palavra», editada em Faro e dirigida pelo seu amigo e também poeta Casimiro de Brito. Ainda nesse ano inicia a publicação da revista «Cadernos do Meio-Dia», que em 1960 encerra a edição por ordem da polícia política.

Fonte: Wikipedia

Read Full Post »

Manuel da Fonseca nasceu no dia 15 de outubro de 1911 e é o autor deste conhecido fado interpretado por Adriano Correia de Oliveira.

Tejo que levas as águas

Tejo que levas as águas
correndo de par em par
lava a cidade de mágoas
leva as mágoas para o mar

Lava-a de crimes espantos
de roubos, fomes, terrores,
lava a cidade de quantos
do ódio fingem amores

Leva nas águas as grades
de aço e silêncio forjadas
deixa soltar-se a verdade
das bocas amordaçadas

Lava bancos e empresas
dos comedores de dinheiro
que dos salários de tristeza
arrecadam lucro inteiro

Lava palácios vivendas
casebres bairros da lata
leva negócios e rendas
que a uns farta e a outros mata

Tejo que levas as águas
correndo de par em par
lava a cidade de mágoas
leva as mágoas para o mar

Lava avenidas de vícios
vielas de amores venais
lava albergues e hospícios
cadeias e hospitais

Afoga empenhos favores
vãs glórias, ocas palmas
leva o poder dos senhores
que compram corpos e almas

Leva nas águas as grades

Das camas de amor comprado
desata abraços de lodo
rostos corpos destroçados
lava-os com sal e iodo

Tejo que levas nas águas

Read Full Post »

Chove!

Hoje, tal como no poema de José Gomes Ferreira (nascido a 9 de Junho de 1900)…

Chove!
Chove…

Mas isso que importa!,
se estou aqui abrigado nesta porta
a ouvir a chuva que cai do céu
uma melodia de silêncio
que ninguém mais ouve
senão eu?

Chove…

Mas é do destino
de quem ama
ouvir um violino
até na lama.

Read Full Post »

A 5 de Junho de 1898, nasce, em Fuentevaqueros (Granada), o poeta e dramaturgo espanhol Federico García Lorca, aquele que dizia:

Verde que te quero verde.
Verde vento. Verdes ramas.
O barco vai sobre o mar
e o cavalo na montanha.

Read Full Post »

A 10 de Maio de 1913, nasceu em Lisboa um dos maiores divulgadores e declamadores de poesia –  João Villaret.

Este grande actor deixou-nos, entre muitas outras, a excelente declamação do poema de José Régio, Cântico Negro:

Read Full Post »

Manuel Bandeira

A 19 de Abril de 1886 nasceu o poeta brasileiro Manuel Bandeira, representante do que há de melhor na produção literária do estado de Pernambuco.

Manuel Bandeira, Vou-me embora pra Pasárgada

Read Full Post »

Instituído na 30ª Conferência Geral da UNESCO, em 1999, o Dia Mundial da Poesia, assinalado hoje, coincide com o início da Primavera e, em Portugal, com o Dia da Árvore, numa lógica que parece simbolizar o renascimento ou a renovação e com o objectivo de defender a diversidade linguística.
O Dia Mundial da Poesia resultou da constatação de que existiam no mundo necessidades estéticas por satisfazer e de que a poesia podia preenchê-las se o seu papel social de comunicação interpessoal fosse reconhecido e continuasse a ser um meio de estimular e expressar o conhecimento.
A existência da efeméride tem, na perspectiva do poeta José Miguel Silva, «uma importância relativa», porque é «só um dia», o que «não dará grandes resultados no sentido de angariar leitores», mas «tudo o que se fizer para divulgar a poesia é positivo», salientou.
Em Portugal, a data será assinalada no dia 21 de Março, um pouco por todo o país, com vários eventos, em que se incluem sessões de leitura de poesia, concertos, feiras do livro, exposições e debates.

Com o objectivo de defesa da diversidade linguística, a UNESCO decidiu, em 1999, proclamar o dia 21 de Março, Dia Mundial da Poesia.
in Plano Nacional de Leitura

Poesia Portuguesa On Line

Read Full Post »

Older Posts »

%d bloggers like this: